[Resenha] Um Breve Suicídio em Viena – Alexandre Kostolias

um-breve-suicidio-em-viena-blog-escrevarteTítulo: Um Breve Suicídio em Viena

Autor: Alexandre Kostolias

Editora: Oito e Meio

Páginas: 198

Gênero: Romance

Fonte: Cortesia do Autor

Compre aqui

Sinopse (Trecho do livro): “Maria-Theresien-Platz, Viena. Aquela sim, era a praça ideal para se cometer um suicídio. Não um suicídio qualquer, mas um ato extremo amadurecido, premeditado e, na medida do possível, civilizado. Eugenio, que fazia tempo se dedicara a compilar uma lista sobre os melhores lugares do mundo para se realizar a interrupção consciente da própria vida, não tinha mais dúvidas. Aquela Platz clássica, simétrica, mantida em estado de conservação impecável, merecia estar no topo da lista.”

RESENHA

Se é para se matar, que seja com glamour, de caso pensado, de forma elegante e única. Em um local apropriado e condizente com tamanho impacto do ato. Baseando-se neste pensamento, Eugenio está em uma peregrinação em busca da elaboração do cenário, local e data para execução do suicídio. Sua vida não deu muito certo, aliás, não deu nada certo (sob sua perspectiva), e então esta é a única saída.

Mas como nem tudo é como planejamos, alguns percalços acontecem na sua trajetória de assassino de si próprio e a história toma rumos não esperados. Nem por ele, nem pelo leitor. No último momento Érika surge, toma as rédeas da situação e altera todo o foco de vida de Eugenio. E a partir daí a história vai mudando e se tornando um relato de retomada de vida, ao invés do relato da busca pela morte.

Narrado em terceira pessoa, a história de Alexandre Kostolias é fluída e profunda. Sugere reflexões, propicia momentos de torcida por determinado desenrolar e ansiedade em vários pontos quando, juntamente com Eugenio, ficamos na expectativa do que vem a seguir. Apresenta também reflexões através de diálogos de Eugenio com alguns personagens que fazem o leitor viajar pela história e por lugares únicos.

Os personagens são bem trabalhados, sem excesso de explicações, deixando o conhecimento deles – por parte do leitor – acontecer mais pelo acompanhamento de seus atos do que por meras descrições. Interessante como o perfil de Eugenio pode ser reconhecido pelo leitor em pessoas comuns que podemos conhecer ou encontrar por aí. Coincidência ou não, li-o exatamente no final do Mês Amarelo, dedicado ao combate ao suicídio. A personalidade de Eugenio me fez refletir em um dado muito importante: o suicida não tem cara de suicida. Não é sempre que suas atitudes indicam este desejo, até porque para eles não é somente um desejo, para eles é a solução! Se para eles é a solução, não há ansiedade no preparo do ato. Pode não haver a demonstração pública de suas intenções! É como se eu ou você resolvêssemos começar uma dieta em dado dia, para solucionar o problema do sobrepeso. Pois bem, com este raciocínio influenciado pela leitura, entendi que não se pode sair por aí procurando potenciais suicidas. Poderemos não reconhecê-los pelas atitudes. Como agir então? Amando. Amar a todos e de forma clara, explícita e verdadeira, como Érika fez com Eugênio nestas páginas. Amor despretensioso e natural, daqueles amores que surgem da convivência carinhosa, caridosa, companheira e amiga que temos com os mais próximos. Pode até ser que muitas vezes já salvamos um potencial suicida e nem sabemos, simplesmente porque uma atitude nossa mudou o foco e sentido de vida deste alguém…

Além desta reflexão importante, no seu final o livro ainda lança outra reflexão tão ou mais profunda que esta, que é a certeza de que, no fim, não somos realmente os comandantes deste navio chamado vida. Ainda que planejemos, algo como Deus, o Destino, a Casualidade (ou qualquer outro nome que se queira dar) pode fazer tudo tomar um outro rumo… Porém, mesmo assim, continuemos nos planejando. 😉

É uma história cativante e verdadeira, fluída e profunda, e que merece ser lida! Vale a pena dedicar algumas horas para conhecer este pequeno, porém enorme livro!

A edição da Editora Oito e Meio é simples e cuidadosa ao mesmo tempo. Sem grandes adereços, mas com os detalhes que oferecem leitura agradável: ausência de erros que incomodem, páginas em papel Pólen, margens e fonte ideais. Enfim, é uma obra que vale a pena conhecer.

 

Avaliação da obra
Data da avaliação
Minha nota:
51star1star1star1star1star

Comente aqui... Agradecemos sua participação!