Nas Fronteiras de Alice, de Marcelo N. Sigueira – Editora Pandorga

Capa_Nas fronteiras de Alice_V7Título: Nas Fronteiras de Alice

Autor: Marcelo N. Siqueira

Editora: Pandorga

Páginas: 238

Gênero: Romance, Romance Hot, Romance Erótico

Fonte: Cortesia Assessoria Lilian Comunica

Skoob

Compre aqui

Sinopse (Fonte: Skoob) Nas fronteiras de Alice é um romance contemporâneo, narrado como lembrança por seu protagonista, Yuri, um renomado professor de História e filho de um desaparecido político durante a ditadura militar brasileira. Yuri tem 40 anos, é casado e vive um momento de reflexão na vida.
Durante um Simpósio em Porto Alegre, onde é o convidado principal do evento, conhece Alice, estudante de Literatura que possui uma personalidade plural e inconstante. Alice tem uma beleza incomum e um jeito sincero, divertido e irônico, mas com certo ar de mistério e tristeza no olhar. Os dois iniciam um romance inesperado de intensa entrega, no qual cada um será exposto às suas fraquezas e desejos mais íntimos, provocando comentários e incompreensões de pessoas próximas. Por ser um relacionamento proibido, ambos sofrerão suas consequências.
Nas fronteiras de Alice é uma história de encontros, escolhas e descobertas. Divertida em alguns momentos e intensa em outros. Sua narrativa traz consigo sensações de nostalgia, erotismo, paixão e cumplicidade, sendo a primeira parte de uma trilogia.
Uma história tão intensa que merece ser vivida.
Uma história tão insólita que merece ser lembrada.
Uma história tão bonita que merece ser contada.

RESENHA

Há muito tempo eu queria ler um livro erótico. Erótico porque Hot é muita pegada para meu gosto. Em geral falta história neles, a “coisa” toda acontece sob somente uma vertente e acaba cansando. É muito do mesmo. O legal da história erótica é que, além do óbvio, temos também uma história por detrás, um plano de fundo que faz sentido e os personagens fazem outras coisas da vida, além de se pegarem!

Em Nas Fronteiras de Alice conhecemos Yuri e Alice. Ele um renomado professor de história, filho de um desaparecido político da época da ditadura, casado com uma bela mulher. Ela uma universitária de Literatura, com vinte anos de idade. A metade da idade de Yuri.

Os dois se conhecem quando vão para Porto Alegre para um Simpósio. Yuri como palestrante e homenageado, Alice como espectadora. Alguns acasos do destino colocam os dois no mesmo Café, num final de tarde chuvoso. A atração é instantânea!

A narrativa começa numa viagem de avião de Yuri e ali ele resolve escrever sobre o seu tórrido romance com Alice. Já em seguida a relação dos dois começa a ser contada, como que uma lembrança dele.

A história dança entre vários focos. Um deles é a vida pessoal, acadêmica e os conhecimentos de Yuri. Em diversos momentos sua capacidade é apresentada, seja por ele mesmo comentando algo ou contando a Alice, seja por acontecimentos que indicam ao leitor “quem é este cara”. Nestas páginas sabemos detalhes da vida de Yuri.

Outro foco é o perfil de alguns personagens. Interessante a forma com que o autor os criou. A obra escancara a personalidade de alguns deles – Alice, Maria Regina (velha amiga de Yuri), Débora (esposa) – interessante que passamos a conhecê-los muito bem. Até mesmo a esposa de Yuri, que não aparece e só é citada em diversos momentos, acaba sendo uma grande conhecida do leitor.

Falando de personagens, Alice é um caso à parte. Creio que o autor tenha uma filha adolescente ou conviva com várias delas no seu dia a dia (ele é professor). Ele a retrata com os rompantes que enxergo com frequência entre várias jovens que eu, pessoalmente, tenho contato. São pessoas de sentimentos e sensações sempre extremas e voláteis, mas que mesmo assim encantam e cativam. Esta é Alice. Quase que uma criança grande. Ela possui um transtorno de personalidade que fica bem demonstrado nas páginas que a torna um tanto volátil, mas ao mesmo tempo ela é uma jovem como várias outras!

A escrita de Marcelo é bem fluída, bem construída e apresenta um aspecto interessante. Ele é bem descritivo e detalhista, daí há passagens que ele explica alguns detalhes da cena que poderiam parecer desnecessários em várias histórias, ele conta algumas coisas que acho que eu preferiria que não existissem na obra. Mas curiosamente aqui tudo correu muito bem, acho que a personalidade franca e um tanto inconsequente dos protagonistas contribui para que não houvesse estranheza com estes aspectos pontuais das longas descrições.

Se bem me lembro, este é o primeiro romance hot/erótico escrito por um homem que eu leio. Interessante que dá para notar uma característica mais “masculina” na descrição. Não sei se coincidência, mas os livros escritos por mulheres que tive o prazer de ler, possuíam um formato que me faziam ter as faces coradas. Aqui, mesmo que sendo contado em detalhes, as cenas não me causaram este arrebatamento. Era como se existisse uma leve frieza, mais característica nos homens. Pode ser somente impressão minha, então quando você o ler, volte aqui e me conte se teve sensação semelhante ou não, combinado?

Em se tratando da relação dos dois em si, não há grandes novidades. O quarentão bonito, rico e um tanto quanto famoso que se apaixona pela jovem universitária bela e descolada. Ele é casado e vez ou outra passa por crise de consciência, porém o desejo e a paixão falam mais alto que a coerência. O final não foi o que eu esperava, mas como é somente o primeiro de uma trilogia, pode ser que as coisas mudem nos próximos… Veremos…

Algo que me incomodou na história é o fato dos dois declararem com muita facilidade que amam um ao outro. O romance é arrebatador, as situações são insólitas, tudo ali indica uma clara e premente paixão! Não amor. Pelo menos no meu entendimento o amor acontece de forma um pouco diferente do retratado aqui… Para mim eles não se amam. Mas como já disse, vamos esperar os próximos desenrolares.

A Edição da Pandorga está bacana, porém faço uma ressalva quanto à revisão, pois algumas palavras estão grafadas de forma incorreta. Mas existem vários pontos positivos: No início dos capítulos existem algumas imagens em preto e branco que retratam algum detalhe daquela parte da história, a capa é bem bacana e representa bem a trama e o papel Pólen, as margens e o tamanho da fonte proporcionam uma leitura confortável. Finalmente, é uma boa publicação.

Em suma, recomendo a leitura para os amantes do gênero. 😉

Avaliação da obra
Data da avaliação
Minha nota:
51star1star1star1star1star

Comente aqui... Agradecemos sua participação!